fbpx
Boletim econômico de outubro

Boletim econômico de outubro

  • Recuperação global aponta oportunidades de longo prazo

Em setembro, o Ibovespa registrou queda pelo terceiro mês consecutivo, fechando o mês com perdas de 6,57%, aos 110.979 pontos, e acumulando baixa no ano de 6,75%. O Real se depreciou 5,30% frente ao dólar, encerrando o mês cotado a R$ 5,45, com desvalorização em 2021 de 4,95%.

Os juros de longo prazo continuaram subindo, enquanto os de curto prazo caíram, levando os índices a fecharem em posições opostas, com o IMA B5 positivo, em 1%, e o IMA B5+, negativo, em -1,26%.

O Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros (Selic) em um ponto percentual para 6,25%, tendo em vista a alta inflação no país. Informou que, embora tenha discutido a possibilidade de uma aceleração do ritmo de aperto monetário, optou pela manutenção do atual ritmo, associada ao aumento da magnitude do ciclo, na intenção de levar a taxa básica para patamar significativamente contracionista.

  • Situação

Nos EUA, dado o avanço da inflação, o Banco Central Americano (Federal Reserve) sinalizou o início da normalização de sua política monetária, com a redução do ritmo de compra de ativos ainda este ano e previsão de término em meados de 2022, seguido do aumento gradual da taxa de juros.

Além da iminência do tapering nos EUA, os mercados globais enfrentam o desafio da alta inflação, desaceleração da atividade e crise energética, sobretudo na Europa e na China. Adicionalmente, o risco de default de uma das maiores empresas do setor imobiliário da China, a Evergrande, pode impactar o crescimento do país e do mundo, já que o mercado imobiliário chinês é grande propulsor do crescimento de vários setores econômicos globais. Os reflexos dessa situação na economia brasileira podem ser elevados, dada a grande representatividade da China na balança comercial brasileira, baseada nos negócios com commodities.

No Brasil, a indefinição dos precatórios que vencem em 2022, as incertezas quanto ao risco fiscal e o baixo crescimento da economia, somado aos desafios do cenário externo, fazem com que os ativos internos operem com alta volatilidade.

Além disso, a expectativa para a inflação segue elevada. A previsão da pesquisa Focus, do Banco Central, é de que o IPCA termine o ano em 8,51%, mais do que o dobro da meta de inflação para 2021, de 3,75%, e chegue ao fim de 2022 em 4,14%, também acima da meta de 3,50%. Diante deste cenário, espera-se novos aumentos da taxa básica de juros (Selic) nas próximas reuniões do Copom, elevando as projeções para 8,25% ao final do ano.

  • Análise

No início do mês de outubro, até 05.10.21, o Ibovespa acumula perda de 0,47%, e o Real se depreciou frente ao Dólar, acumulando baixa de 0,62% no mês. As taxas de juros têm se elevado e os índices IMA B5 e IMA B5+ acumulavam resultados negativos no mês de -0,07% e -0,09% respectivamente.

Apesar do cenário de curto prazo mais desafiador, com muitas incertezas e alta volatilidade, estamos trabalhando para atingir as metas de rentabilidade futuras, considerando a visão de longo prazo de uma EFPC, buscando oportunidades de alocações para compor os portfólios dos planos administrados pela BB Previdência.

No mês de setembro, fizemos alocações em nossa estratégia de investimento imobiliário, aproveitando o nível atual dos preços destes ativos. Além disso, a partir da recuperação mais rápida de algumas economias globais, sem deixar de considerar a alta volatilidade do câmbio, aumentamos nossas posições em fundos de investimentos no exterior com hedge cambial.

A BB Previdência continuará avaliando outras oportunidades, para alocações em fundos de ações, fundos imobiliários e fundos estruturados.

  • Glossário

EFPC – Entidade Fechada de Previdência Complementar.

Hedge – Termo em inglês que significa cobertura. Refere-se a uma estratégia de investimentos que tem o objetivo de proteger o valor de um ativo.

IMA – Índice de Mercado ANBIMA. É referência para os investimentos em renda fixa.

IMA-B 5 – Títulos públicos indexados à inflação medida pelo IPCA com vencimento de até cinco anos.

IMA-B 5+ – Títulos públicos indexados à inflação medida pelo IPCA com vencimento igual ou acima de cinco anos.

Compartilhe

4 Comentários sobre “Boletim econômico de outubro

    1. Olá Maria!

      Nós da BB Previdência ficamos muito contentes em saber que ficou satisfeita com nossa postagem, seu Feedback é muito importante para nós!!
      Continue acompanhando nosso blog e nossas redes sociais.

    1. Olá Lindinalva!

      Sua satisfação é MUITO importante para BB Previdência!! Isso nos motiva muito!

      Continue acompanhando nosso blog e nossas redes sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *